São Paulo e Grande São Paulo: (11) 2324-6811

Whattsapp: (11) 94578-5266

Descupinização na Zona Sul

cupins.jpg

Problemas com cupins na Zona Sul ?

 

Os cupins são insetos sociáveis, assim como as formigas e as abelhas, possuem uma estrutura de forma organizada e vivem em túneis fechados, no solo, madeira ou estruturas suspensas em árvores ou arbustos. Diferem entre si quanto a forma e a função que desempenham dentro da colônia. As colônias podem apresentar milhares de indivíduos, compreendendo 3 ou mais castas: sexuada, soldados e operários. Na alimentação consomem celulose, a qual é digerida por flagelados simbiontes existentes em seu aparelho digestivo.

 

  • Cupins Subterrâneos (Coptotermes havilandi): São assim chamados pelo fato de construírem suas colônias freqüentemente abaixo da superfície do solo, atacando as madeiras que estão em contato direto com o solo e alvenaria das construções.  

Fazem seus ninhos em lajes, caixões perdidos, juntas de dilatação, utilizam redes  hidráulicas  e  condutores  elétricos,    sem nenhum contato com o solo. A ligação entre a colônia e a fonte de alimento (celulose) pode ser feita por meio de túneis através de vários componentes como piso, paredes, cordões de gesso, mesmo que o ninho esteja localizado a dezenas de metros da área construída. Esta espécie é responsável pelo maior parte dos prejuízo no Brasil.


Danos causados pelos Cupins:

Estimativas feitas com o Coptotermes havilandi, nos Estados Unidos, indicam que uma colônia desta espécie, contendo cerca de 3 milhões de indivíduos, pode consumir madeira a uma taxa de 360 gramas por dia. Uma colônia madura de cupins subterrâneos desta espécie pode causar severos danos a uma estrutura em apenas três meses. Desta maneira é imprescindível que seja identificado o quanto antes uma infestação por cupim subterrâneo.

O montante dos danos pode ser grande não apenas pelo tamanho da colônia que está atacando uma estrutura, mas também porque nada impede que duas ou mais colônias estejam infestando a mesma estrutura.


Tratamento contra Cupins:

O conhecimento da biologia desses insetos é base fundamental na adoção de medidas preventivas e curativas. Seus hábitos de vida, reprodução, exigências quanto à temperatura e umidade são alguns fatores que determinam procedimentos a serem adotados no seu controle.

Dentre os insetos xilófagos, dois grupos são os principais responsáveis pelos danos causados às madeiras, nas mais diferentes situações onde essa matéria-prima é utilizada. Esses dois grupos são os Cupins e as Brocas-de-madeira.

Os cupins são socialmente organizados e cada integrante possui uma função pré definida. Assim, não há peça de madeira, celulose e derivados que resista ao poder devastador dos cupins. Comprometem até construções de concreto, esburacando e destruindo estruturas de madeira da construção, criando vãos e danificando instalações elétricas. São capazes de destruir um vigamento de telhado em poucas semanas, e multiplicam­-se com grande facilidade e velocidade. Causadores dos maiores prejuízos, tais como: desabamentos, incêndios, destruição...Os cupins podem chegar a milhões de indivíduos. Alimentam­-se basicamente de celulose e derivados, escavando galerias em móveis e livros.


Fique atento aos sinais que indicam a presença de cupins!

 

» Revoadas:
As revoadas ocorrem quando as colônias de cupins liberam os siriris (ou aleluias). São os cupins com asas que irão formar novas colônias. Elas acontecem geralmente nas tardes quentes de primavera e verão.

Vocé pode encontrar asas ou siriris mortos próximos de janelas e de lâmpadas, pois são atraídos pela luz. Se você viu siriris, é sinal de que há colônias de cupins próximo ou até mesmo dentro de seu estabelecimento.


» Presença de túneis de cupins subterrâneos na estrutura;» Presença de grânulos (fezes de cupins de madeira seca) junto aos móveis, portas e batentes.

As brocas-de-madeira encontram-se em um grupo de insetos compostos por milhares de espécies na sua maioria xilófagas. Esses insetos são freqüentemente confundidos com os cupins-de-madeira-seca por também expelirem resíduos das peças atacadas. Entretanto as brocas-de-madeira diferem dos cupins em vários aspectos.

 

» Brocas-de madeira e cupins são dois grupos taxonomicamente distintos. As brocas, cujos adultos são os besouros, pertencem a ordem dos Coleópteros, enquanto os cupins, cujos adultos são conhecidos como siriris ou aleluias, pertencem à ordem dos Isópteros.

 

» As brocas-de-madeira não são insetos sociais. Uma madeira atacada por brocas pode conter dezenas ou centenas de indivíduos, entretanto cada um vive independentemente dos outros.


Metodologia Operacional no Controle de Cupins:

A metodologia operacional para Controle de Cupins Subterrâneos inicia-se com análises e estudos de características básicas, como:
» da edificação, junto às plantas hidráulicas, elétricas, estruturais, etc.;

» da infestação através de dados colhidos na vistoria técnica;

» do ambiente para definir o método e estratégia de combate.

  

Conjugando estas e outras informações será elaborado o projeto de combate a estes insetos na edificação.

 

  • Tratamento da Estrutura:

Nas edificações existem na estrutura espaços que inacessíveis e imperceptíveis às pessoas de forma geral, oferecem condições de vida ideal aos cupins subterrâneos, fornecendo alimentos.

Exemplo: madeiras (de formas abandonadas), abrigo (espaços internos na estrutura como, caixões perdidos, estuques, lajes duplas, lajes entulhadas, paredes duplas, redes hidráulicas, elétricas, gás, etc.), vias de locomoção e invasão (juntas de dilatação, redes elétricas, hidráulicas, gás, etc.).

Além disto nossas edificações os protegem de seus inimigos naturais, atuando como verdadeiras fortalezas.

 

  • Prevenção:

» Consertar vazamentos e infiltrações, pois a umidade é favorável a infestação de cupins;

» Não guardar madeira junto à casa; Não permitir que água se acumule nas lajes;

» Ao adquirir móveis em madeira verifique se há indícios da presença de cupins.

» Fazer descupinização periodicamente.